Diversidade de peixes capturados em currais de pesca na praia de Moitas, Amontada, (Ceará, Brasil)

Larissa Pinto da Costa, Reynaldo Amorim Marinho, Raimundo Nonato de Lima Conceição, Lilia Freire Freitas

Resumo


A pesca artesanal é caracterizada como uma atividade de pequena escala, que se utiliza de poucos instrumentos tecnológicos e geralmente praticada como forma de subsistência, gerando uma renda para o pescador e adicionando uma proteína de qualidade na sua alimentação. Os currais de pesca estão entre as artes de pesca utilizadas pelos pescadores artesanais por toda a costa brasileira. A costa do litoral do Ceará, Brasil, possui características adequadas para a instalação de currais de pesca, sendo muito utilizado por pescadores da região. Assim como em outras praias do litoral Oeste do Ceará, como nos municípios de Acaraú, Camocim e Paracuru, a praia de Moitas, no município de Amontada, também se utiliza dos currais de pesca para a captura de peixes. Devido à grande diversidade de espécies capturadas com essa arte de pesca, faz-se necessária a realização de estudos que possam auxiliar no seu ordenamento pesqueiro e manutenção de seus estoques, além de conhecer a diversidade dos recursos, os estoques capturáveis, entre outros. Diante o exposto, o presente trabalho teve como objetivo determinar a diversidade dos peixes capturados na pesca de curral, na praia de Moitas, Amontada, CE. Além de estimar a composição da amostra capturada que é susceptível a armadilha de pesca, verificar a variação da riqueza ao longo do período de estudo e avaliar a variação da diversidade e abundância das espécies no mesmo período. Os exemplares de peixes capturados nos currais da área de estudo foram coletados no período de abril a dezembro de 2020, em campanhas mensais, totalizando 9 campanhas, realizadas em horário estabelecido pelos pescadores, geralmente no período de maré vazante, de modo a não interferir na rotina de trabalho dos mesmos. Após a coleta, os exemplares foram identificados por meio de trabalhos e manuais para identificação de espécies marinhas, sendo identificados 1.087 indivíduos, distribuídos em 2 Classes, 4 Ordens, 14 famílias e 22 espécies. As espécies mais abundantes foram a Eugerres brasilianus, Selene vomer e Mugil incilis. Todos os índices ecológicos utilizados apontaram os currais de pesca da Praia de Moitas como áreas de média biodiversidade de peixes capturados, apresentando diversidade de Shannon-Wiener (H’ = 2,10 nats/indivíduo), equitabilidade de Pielou (J’ = 0,67) e riqueza de Margalef (DMg = 3,00).

Palavras-chave: Pesca artesanal. Diversidade de espécies. Litoral Oeste do Ceará.


Palavras-chave


Pesca artesanal. Diversidade de espécies. Litoral Oeste do Ceará.

Referências


BRASIL. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 3: Pesca artesanal brasileira. Aspectos conceituais, históricos, institucionais e prospectivos. 2014. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/pdf. Acesso em: 25 jan. 2021.

CARVALHO, R.A.A.; ARAÚJO, M.A. Ictiofauna recifal da região entre-marés da praia do Pecém, Ceará, Brasil. Monografia de graduação em Engenharia de Pesca da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 32 pp. 2000.

CASTRO, A.C.L. Características ecológicas da ictiofauna da Ilha de São Luís-MA. Boletim do Laboratório de Hidrobiologia, v. 10, n. 1. P. 1:18. 1997.

CEARÁ –Zoneamento Ecológico e Econômico da Zona Costeira do Estado do Ceará: ictiofauna dos estuários do estado do Ceará. Fortaleza, Governo do Estado do Ceará: UFC/SEMACE/LABOMAR, 2005.

DIAS, V.S. Composição e variação temporal da assembleia de peixes capturados em currais no litoral norte do estado de Pernambuco. 2019. Monografia de graduação em Engenharia de Pesca na Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 29 f. 2019.

FAO - Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura. Diretrizes Voluntárias para Garantir a Pesca de Pequena Escala Sustentável no Contexto da Segurança Alimentar e da Erradicação da Pobreza. 2017. Disponível em: http://www.fao.org/3/i4356pt/I4356PT.pdf. Acesso em: 24 jan. 2021.

FÉLIX, F.C.; SPACH, H.L.; HACKRADT, C.W.; MORO, P.S.; ROCHA, D. C. Abundância sazonal e a composição da assembleia de peixes em duas praias estuarinas da Baía de Paranaguá, Paraná. Revista Brasileira de Zoociências, v. 8, n. 1, p. 35:47. 2006.

FERNANDES, G.F. Caracterização da pesca artesanal no distrito de Bitupitá, município de Barroquinha. Monografia de Graduação em Engenharia de Pesca na Universidade Federal do Ceará. 38 f. 2008.

FIGUEIREDO, J.L. Manual de Peixes Marinhos do Sudeste do Brasil: Volume I: Cações, raias e quimeras. São Paulo: Museu de Zoologia/USP, 111 pp. 1997.

FLORES-LOPES, F.; CETRA, M.; MALABARBA, L.R. Utilização de índices ecológicos em assembleias de peixes como instrumento de avaliação da degradação ambiental em programas de monitoramento. Biota Neotropica, v. 10, n. 4, p. 183-193. 2010.

GIANNINI, R.; PAIVA FILHO, A.M. Análise comparativa da ictiofauna da zona de arrebentação de praias arenosas do Estado de São Paulo, Brasil. Boletim do Instituto Oceanográfico, v. 43, n. 2, p. 141-152. 1995.

HOLANDA, J.S. Caracterização da comunidade de peixes demersais na área de influência do sistema de disposição oceânica dos esgotos sanitários de Fortaleza (SDOES). 45 f. Monografia de Especialização em Engenharia de Pesca. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2009.

LESSA, R.; NÓBREGA, M.F. Guia de identificação de peixes marinhos da Região Nordeste. Programa REVIZEE, Score-NE. Recife, PE, Brasil, 128 pp. 2000.

LUCENA, F.P.; CABRAL, E.; SANTOS, M.C.F.; OLIVEIRA, V.S.; BEZERRA, T.R.Q. A pesca de currais para peixes no litoral de Pernambuco. Bol. Téc. Cient. CEPENE, Tamandaré - PE - v. 19, n. 1, p. 93-102, 2013.

MAGURRAN, A.E. Medindo a diversidade biológica. Curitiba: Editora da Universidade Federal do Paraná, 260 pp. 2019.

MARGALEF, R. Ecología. Barcelona: Ediciones Omega S.A., 951 pp. 1974.

MARGALEF, R. La teoria de la información en Ecología. Memorias de la Real Academia de Ciéncias y Artes de Barcelona, v. 32, n. 13, p. 373-436. 1957.

MASIH NETO, T.; SALLES, R.; SANTOS, E.S.; SOUSA NETO, M.A.; MAIA, L.P. Biodiversidade da Ictiofauna nos currais de pesca no litoral de Acaraú, Ceará, Brasil. Arquivo de Ciências do Mar, Fortaleza, v. 50, n. 2, p.18-29. 2018.

MATIAS, J.F.N. Estudo da diversidade das espécies capturadas por currais de pesca na praia de Almofala-Ce, durante os anos de 1990, 1991 e 1992. 1994. Monografia de Especialização em Engenharia de Pesca na Universidade Federal do Ceará, Fortaleza. 38 f. 1994.

MENDONÇA, J.T.; MACHADO, I.C.; JENSEN, L.V.; CAMPOLIMI, M.B.; LUCENA, A.; CARDOSO, T.A. Ordenamento da pesca com cercos- fixos no estuário de Cananéia-Iguape-Ilha Comprida. Arquivo de Ciências do Mar, Fortaleza, v. 44, n. 2, p.36-51, 2011.

MENEZES, N. A.; FIGUEIREDO, J. L. Manual de peixes marinhos do sudeste do Brasil: Volume IV (Teleostei 3). São Paulo: Museu de Zoologia/USP, 48 pp. 1980.

MENEZES, N.A.; BUCKUP, P. A.; FIGUEIREDO, J.L.; MOURAET, R. L. (Ed.). Catálogo das espécies de peixes marinhos do Brasil. São Paulo: Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo, 164 pp. 2003.

NOBREGA, M.F.; LESSA, R.; SANTANA, F.M. Peixes marinhos da região nordeste do Brasil. Fortaleza: Editora Martins & Cordeiro. (Programa REVIZEE – Score Nordeste). 206 pp. 2009.

ODUM, E.P. Ecologia. 2. Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A. 434 pp. 2010.

ODUM, E.P.; BARRETT, G.W. Fundamentos de Ecologia. 5. ed. São Paulo: Cengage Learning, 612 pp. 2007.

SANTANA, F.M. da S.; SEVERI, W. Composição e estrutura da assembleia de peixes da zona de arrebentação da praia de Jaguaribe, Itamaracá (PE). Bioikos, n. 23, v. 1, p. 3-17. 2009.

TAVARES, M.C. da S.; JÚNIOR, I. F.; SOUZA, R.A.L. de; BRITO, C. S. F. de. A pesca de curral no Estado do Pará. Boletim Técnico-Científico do CEPNOR, Belém, PA, n. 5 p. 115-139. 2005.

TOWNSEND, C.R.; BEGON, M.; HARPER, J.L. Fundamentos em ecologia. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. 592 pp.

TREMAIN, D.M.; ADAMS, D.H. Seasonal variations in species diversity, abundance, and composition of fish communities in the northern Indian River Lagoon, Florida. Bulletin of Marine Science, v. 57, n. 1, p. 171-192, 1995.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

Counters
Visitas