Ascite por helmintose e compactação gástrica em muar: relato de caso

Ana Carolina Pontes de Miranda Maranhão, Ulisses Barbosa Raphael, Jéssica Monteiro Queiroz de Medeiros, Nielma Gabrielle Fidelis Oliveira, Luisa Gouvêa Teixeira, Muriel Lustosa Pimentel

Resumo


A ascite em equídeos é rara, a ocorrência desta pode estar relacionada a distúrbios fisiológicos, como afecções hepáticas ou renais, enteropatias, dieta pobre em proteína e desequilíbrio hidroeletrolítico. O tratamento requer raciocínio clínico, exames laboratoriais e um protocolo terapêutico, uma vez que o acúmulo excessivo de líquido na cavidade abdominal, dificulta a execução dos movimentos respiratórios, podendo causar apatia, inapetência e óbito. A partir do presente estudo, objetivou-se relatar o atendimento de uma mula com 18 meses de idade, internada em uma Clínica Escola, apresentando sinais de abdômen agudo e aumento do perímetro abdominal. Após avaliação clínica do paciente e avaliação laboratorial do líquido peritoneal e fezes, concluiu-se que esta apresentava ascite, ocasionada por helmintose seguida de hipoproteinemia. O tratamento consistiu de terapia de suporte, antibiótico, anti-inflamatório, vermifugação e drenagem do líquido ascítico. Após 12 dias a mula recebeu alta. O quadro de ascite encontrado neste animal foi justificado pelos resultados dos exames, uma vez que os manejos nutricional e sanitário eram precários. O tratamento de suporte, reposição hidroeletrolítica e drenagem do líquido peritoneal excedente foram fundamentais. A ascite é possível de ser revertida, desde que a conduta clínica e protocolo terapêutico sejam específicos e de acordo com os resultados laboratoriais.

 


Palavras-chave


Sonda de foley, Helminto, Hipoalbuminemia.

Referências


ABBAS, A. K., LICHTMAN, A, H., & PILLAI, S. Imunologia celular e molecular. Guanabara Koogan. 2015.

AGRONEGÓCIOS, Revista Attalea. Em constante crescimento, mercado de quinos movimenta R$ 16,5 bi ao ano no Brasil: Animais atraem investidores e apaixonados, além de aquecer a economia do país. 2019. Revista Attalea agronegócios. Disponível em: . Acesso em: 09 jul. 2019.

ARAUJO, Gustavo Henrique Marques e MOYA-ARAUJO, Carla Fredrichsen. Particularidades e possíveis vantagens no uso de mulas como receptoras de embriões. Revista Brasileira de Reprodução Animal, Belo Horizonte, v.39, n.1, p.220-222, jan./mar. 2015.

BROMERSCHENKEL, Ingrid; NUNES, Robson Diego Maia. Cólica por compactação em equinos. Revista Científica de Medicina Veterinária-UNORP, v. 1, n. 1, p. 30-39, 2017.

DA SILVA, Elson Nery et al. Hidratação enteral em fluxo contínuo no tratamento da compactação de cólon maior em um equino: Relato de caso. PUBVET, v. 13, p. 152, 2019.

FARIAS, Ana Carolina et al. Ascite verminótica em Caprino – Relato de caso. Encontro Científico da Escola de Veterinária e Zootecnia da UFG, v. 1, p. 22, 2016.

FERREIRA, Cíntia et al. Cólicas por compactação em equinos: etiopatogenia, diagnóstico e tratamento. Acta Veterinária Brasílica, Belo Horizonte, v.3, n.3, p.117-126, 2009.

FRANCELLINO, Juliana Oliveira Rabello et al. Pronto atendimento de síndrome cólica em equinos – revisão de literatura. Revista Científica de Medicina Veterinária. Guarulhos, ano 13, n. 25, julho. 2015. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça – FAMED/FAEF. Ung. Guarulhos – SP.

QUEIROZ, Gabriel Bobany de. Perfil bioquímico e hematológico de cães hepatopatas submetidos à avaliação citopatológica. Programa de pós graduação em Medicina Veterinária (Clínica e Reprodução Animal), Universidade Federal Fluminense, Faculdade de Veterinária, Niterói – SP, 2012.

GONÇALVES, Roberto Calderon, 2004. Semiologia do sistema respiratório. In: Semiologia veterinária, a arte do diagnóstico. São Paulo, 2014. p.314-331.

GONZÁLEZ, Félix H. Diaz e SILVA, Sergio Ceroni. Patologia clínica veterinária. Texto de apoio ao curso de especialização em análises clinicas veterinárias. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Veterinária, 2008.

LESCHONSKI, Cláudia; SERRA, Cláudia Martins; MENANDRO, Cristiano. Comportamento e Biologia de Equídeos. In: manual de vigilância de zoonoses e manejo de equídeos do estado de São Paulo. São Paulo, 2010. Cap. 1. p. 11.

LHAMAS, Cibele Lima, estudo comparativo dos parâmetros hematológicos e de líquido peritoneal em cavalos de tração naturalmente parasitados e após utilização de Anti-helmíntico. Universidade Federal do Pampa, Uruguaiana – SP, 2013.

LOPES, Sonia Terezinha dos Anjos et al. Manual de patologia clínica veterinária. 3. ed. – Santa Maria: UFSM/Departamento de Clínica de Pequenos Animais, 2007.

MIRANDA, Ana Luísa Soares de; PALHARES, Maristela Silveira. MUARES: CARACTERÍSTICAS, ORIGEM E PARTICULARIDADES CLÍNICO-LABORATORIAIS. 2017. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2017.

PORTAS, Barbara et al. Utilização da concentração plasmática de fibrinogênio e velocidade de hemossedimentação como parâmetro prognóstico em cães com leucocitose. Research, Society and Development, v.10, n.1, e 2910110842, 2020. ISSN 2525-3409. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.10842

SILVA, Nair Almeida et al. A lavagem traqueal e a lavagem broncoalveolar como métodos de diagnóstico da doença respiratória em equinos. Dissertação de Mestrado em Medicina Veterinária. Universidade Técnica de Lisboa. Lisboa – Portugal, 2011.

VERA, João Henrique Silva. Resistência anti-helmíntica em equinos na Região Oeste do Estado de São Paulo. 2014. 65 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Engenharia, 2014.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

Counters
Visitas