Avaliação microbiológica da água em propriedades rurais produtoras de leite localizadas no Rio Grande do Sul, Brasil

Jaqueline de Bortoli, Mônica Jachetti Maciel, Eduardo Rodrigo Ramos de Santana, Claudete Rempel

Resumo


O Brasil é privilegiado em relação à disponibilidade hídrica, e mesmo assim, o país enfrenta desafios quanto à conservação, tratamento e distribuição da água. No meio rural é frequente as propriedades não possuírem acesso a redes de abastecimento, interceptando água diretamente de nascentes, poços, comumente sem tratamento e em condições inadequadas ao consumo. O estudo objetivou avaliar a qualidade microbiológica da principal fonte de água utilizada para o abastecimento humano e dessedentação animal em 104 propriedades rurais produtoras de leite na região do Vale do Taquari, Rio Grande do Sul. Amostras de água foram coletadas da principal fonte de ambos os abastecimentos nas propriedades rurais. Para as análises microbiológicas, detecção de coliformes totais e termotolerantes (Escherichia coli), utilizou-se o Kit Básico de Potabilidade Alfakit®. Os resultados obtidos nas análises foram comparados aos valores permitidos e estabelecidos pelas Resoluções (RDC) do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) n° 357/2005 (Classe III) e n° 396/2008 (Classe I e III) e Portaria do Ministério da Saúde (MS) n° 2914/2011. As análises revelaram que 62,5% (65) das águas destinadas ao consumo humano e 96,15% (96) das águas de dessedentação animal apresentaram coliformes totais e termotolerantes, 31,7% (33) e 45,2% (47), das águas de consumo humano e animal, respectivamente, apresentaram coliformes termotolerantes (E. coli). Esses resultados mostraram que existe uma porcentagem das fontes de água analisadas nestas propriedades, tanto de dessedentação animal quanto as de consumo humano, que se encontram em condições microbiológicas inadequadas para consumo, quando comparadas às legislações vigentes.


Palavras-chave


água de abastecimento humano; água de dessedentação animal; coliformes totais; coliformes termotolerantes.

Referências


ALMEIDA, M. B. Avaliação da qualidade microbiológica da água e qualidade de vida: estudo de caso de Carretéis e arredores - Itabaianinha / Sergipe. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Sergipe, Núcleo de Pós-Graduação e Estudos do Semi Árido, São Cristovão Sergipe, 2004.

AMARAL, L.A. do. NADER F.A., ROSSI J, O. D. FERREIRA, L.A.F., BARROS, L.S.S. Água de consumo humano como fator de risco à saúde em propriedades rurais. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 37, n. 4, p.510-514, Agosto. 2003.

AMARAL, M. Análise microbiológica de caixas d’água de colégios estaduais de Foz do Iguaçu – Paraná. 48 f. Trabalho de Conclusão de Curso de especialização em Ensino de Ciências da Universidade Tecnológica Federal do Paraná,– Campus Medianeira. Medianeira Paraná, 2011.

ARAÚJO, G.F.R et al. Qualidade físico-química e microbiológica da água para o consumo humano e a relação com a saúde: estudo em uma comunidade rural no estado de São Paulo. O Mundo da Saúde, v.35, p.98-104, 2011.

BARCELLOS, C.M. et al. Avaliação da qualidade e percepção higiênico na área rural de Lavras, Minas Gerais, Brasil, 1990-2000. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 9, p. 1967-1978, set. 2006.

BRASIL. Resolução CONAMA 357 de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Brasília, DF, 2005.

BRASIL. Resolução CONAMA 396 de 03 de abril de 2008. Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas e dá outras providências. Brasília, DF, 2008.

BRASIL. Resolução CONAMA 410 de 04 de maio de 2009. Prorroga o prazo para complementação das condições e padrões de lançamento de efluentes, previsto no art. 44 da Resolução nº 357, de 17 de março de 2005, e no art. 3º da Resolução nº 397, de 3 de abril de 2008. Brasília, DF, 2009.

BRASIL. Resolução CONAMA 430 de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução nº 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA. Brasília, DF, 2011b.

BRASIL. Portaria 2914 de 12 dezembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Ministério da Saúde. Vigilância e controle da qualidade da água para consumo humano. Brasília, DF, 2011a.

CELLIGOI, A. Considerações sobre análises químicas de águas subterrâneas. Geografia, Londrina, v. 8, n. 1, p. 91-97, 1999.

CONSOLI, M.A.F. et al. Estudo Introdutório sobre o uso de Petrifilm como meio base para a utilização de Membrana Filtrante na análise de água. Revista Analytica, Rio de Janeiro-RJ, n.25, p.70-75, 2006.

COSTA, L.N.; MONTEIRO, P.L.A.; GOMES, A.A. Análise físico-química e microbiológica da água de tanques utilizados na dessedentação de bovinos. Revista de Ciências Exatas e da Terra UNIGRAN, Dourados, v. 2, n. p. 43-55, 2013.

CRUZ, P. et al. Estudo comparativo da qualidade físico-química da água no período chuvoso e seco na confluência dos rios Poti e Parnaíba em Teresina/Pi. In: CONGRESSO DE PESQUISA E INOVAÇÃO DA REDE NORTE NORDESTE DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA, 2., 2007, João Pessoa. Anais... João Pessoa: IFS, 2007.

ECKHARDT, R.R.et al. Mapeamento e avaliação da potabilidade da água subterrânea do município de Lajeado, RS, Brasil. Ambiente e Água, Taubaté, v.4, n. 1, p. 58-80, 2009.

FARIA, A.L. de. Condições ambientais e características de potabilidade da água de bicas de uso público da cidade de Taubaté-SP. Revista Biociências, Taubaté, v. 13, p. 46-54, 2007.

FEE - FUNDAÇÃO DE ECONOMIA E ESTATÍSTICA. Secretaria do Planejamento e Gestão. Governo do Rio Grande do Sul. Dados de 2014.. Disponível em: < http://www.fee.rs.gov.br/perfil-socioeconomico/municipios/>. Acesso em: 07 mar. 2016.

FUNASA, Fundação Nacional de Saúde. Manual prático de análise de água, Brasília, 2004.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2006. Rio de Janeiro: IBGE, 2006. Disponível em: . Acesso em: dez., 2015.

IEPEC. A importância da qualidade da água para vacas leiteiras. 2008. 5p. Disponível em: http://iepec.com/a-importancia-da-qualidade-da-agua-para-vacas-leiteiras/. Acesso em 2017.

LA WARE, A.A.T.; RIFAI, H.S. Modeling fecal coliform contamination in the Rio Grande, Journal Of the American Water Resourses Association. Paper n. 04101, 2006.

LOVELL E J. Water sanitation pays dividends. Poultry Digest, Mt. Morris, v. 2, p.14-16, 1996.

MULLER, T.; GRANADA, C.E.; SPEROTTO, R.A. Qualidade da água de três locais com potenciais fontes de contaminação no Rio Taquari, RS. Ambiente e Água, Taubaté, v. 11, n. 1, p. 75-84, 2016.

OLIVEIRA, M.B.C. Qualidade química e bacteriológica da água utilizada na dessedentação de aves, Bastos, SP. Revista Tecnologia e Inovação Agropecuária, p. 22-32, 2008.

OLIVEIRA, A.S.; SANTOS, D.C.; OLIVEIRA, E.; BRITO, J.G. Qualidade da água para consumo humano distribuída pelo sistema de abastecimento público em Guarabira- PB.

Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 7, n. 2, 199-205, 2012.

PINTO, F.R. et al. Características da água de consumo animal na área rural da microbacia do córrego rico, Jaboticabal, SP. Ars Veterinaria, Jaboticabal, v. 26, n. 3, p.153-159, ago. 2010.

PINTO, F.R. et al. Avaliação microbiológica da água de dessedentação animal em propriedades rurais da microbacia de Córrego Rico na Estação da Seca. 2011, 139 f. Tese (Doutorado) - Faculdade de Ciência Agrárias e Veterinárias da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. 2011.

SATAKE, F.M., ASSUNÇÃO, A.W.A., LOPES, L.G., AMARAL, L. A. Qualidade da água em propriedades rurais situadas na bacia hidrográfica do córrego rico, Jaboticabal. SP. São Paulo, Ars Veterinaria, v. 28, n. 1, p. 48-55, 2012.

VALIAS, A.P.G.S. et al. Avaliação da qualidade microbiológica de águas de poços rasos e de nascentes de propriedades rurais do município de São João da Boa Vista, São Paulo, Arq. Ciên.Vet. Zool. Umuarama, v. 5, n.1, p. 21-28, 2002.

VON SPERLING, M. Princípios do tratamento biológico de água residuárias, volume 1. Belo horizonte: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental. 2005. 457 p.

ZERWES, C.M.; SECCHI, M.I. ; CALDERAN, T.B. ; BORTOLI, J.D. ; TONETTO, J.; TOLDI, M.; CONCEICAO, E. O. ; SANTANA, E.R.R. Análise da qualidade da água de poços artesianos do município de Imigrante, Vale do Taquari/RS. Ciência e Natura, v. 37, p. 651-663, 2015.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

Counters
Visitas