Microbiologia da carne bovina “in natura” comercializada nas feiras livres do recôncavo baiano i

Ludmilla Santana Soares e Barros, Patrícia de Cerqueira Violante

Resumo


Este trabalho apresenta um estudo feito para diagnosticar a condição higiênico-sanitária da carne bovina “in natura” comercializada em feiras livres do recôncavo baiano, numa área compreendida pelo Território de Identidade do Recôncavo, composto por 20 municípios: Santo Amaro, Saubara, Governador Mangabeira, Muritiba, Cabaceiras do Paraguaçu, Cachoeira, São Felix, Maragogipe, Cruz das Almas, Castro Alves, Conceição do Almeida, São Felipe, Santo Antônio de Jesus, Muniz Ferreira, Varzedo, Dom Macedo Costa, Nazaré, Sapeaçu, São Sebastião do Passé e São Francisco do Conde, contudo só foi possível caracterizar 9 (nove) municípios por meio de análises microbiológicos, devido aos impedimentos causados pela a estrutura de Defesa Agropecuária do governo do estado da Bahia,  Adab.  Os munícipios estudados foram: Cruz das Almas, Governador Mangabeira, Muritiba, Cabaceiras do Paraguaçu, Cachoeira, São Felix, Conceição do Almeida, Santo Antônio de Jesus e Sapeaçu. Este estudo demonstrou a necessidade da implantação da Portaria Ministerial 304/96 do Ministério da Agricultura, portaria essa que normatiza a distribuição e comercialização carne bovina a 7º C. Este trabalho apresenta o histórico do processamento da carne e o cenário mundial atual e também o diagnóstico levantado e contextualizando a realidade estadual baiana e apontando os caminhos mais adequados para que haja uma mudança na situação de clandestinidade da oferta proteica encontrada nos municípios estudados.


Palavras-chave


carne clandestina; comercialização; contaminação; qualidade microbiológica.

Referências


BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Portaria 304 de 22 de abril de 1996. Diário oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 12, de 02 de janeiro de 2001. Aprova o “Regulamento sobre Padrões Microbiológicos para Alimentos e seus Anexos”. Diário oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 2001.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa, n 62 de 26 de agosto de 2003. Métodos Analíticos Oficiais para Análises Microbiológicas para Controle de Produtos de Origem Animal e Água. Diário oficial da República Federativa do BRASIL, Brasília, 2003.

COSTA FN, et al. Avaliação das condições higiênico-sanitárias de carne bovina moída comercializada na cidade de São Luís- MA. Higiene Alimentar 2000; 11(77):59-62.

DEVATKAL S. et al. Physicochemical, functional and microbiological quality of buffalo liver. Meat Science 2004; 68 (1):79-86.

FRANCO RM. Escherichia coli: ocorrência em suínos abatidos na grande rio e sua viabilidade experimental em lingüiça frescal tipo toscana [doutorado]. Niterói/RJ: Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense; 2002.

GILL CO, LANDERS C. Microbiological condition of horse meat prepared at a North American packing plant, and control of the temperature of product air freighted to Europe. Meat Science 2005; 69(3):501-7. doi: 10.1016/j.meatsci.2004.09.005.

GERMANO PML, GERMANO MIS. Higiene e Vigilância Sanitária de Alimentos. São Paulo: Ed. Varela, 2003.

JULIÃO AM, COSTA PS. Avaliação microbiológica e controle da produção de carne resfriada homogeneizada de bovino, preparada em nível varejista no Estado do Rio de janeiro. Higiene Alimentar 2002; 16 (96):94-99.

LUNDGREN PU, et al. Perfil da qualidade higiênico-sanitária da carne bovina comercializada em feiras livres e mercados públicos de João Pessoa-PB. Alim. Nutr. 2009; 20 (1): 113-119.

MOTTA MRA, BELMONTE MA. Avaliação microbiológica de amostras de carne moída comercializadas em supermercados da região oeste de São Paulo. Higiene Alimentar 2000; 14 (78-79):59-62.

OLIVEIRA AVB, et al. Padrões microbiológicos da carne de frango de corte. Referencial teórico. Revista Verde 2011; 6(3):1-16.

OLIVEIRA JD, SILVA TRS, CORREIA MGS. Fatores determinantes da qualidade nutricional da carne bovina. Cadernos de Graduação-Ciências Biológicas e da Saúde 2013; 1(16):37-46.

RAPOSO TS. Avaliação das condições de recebimento de carnes resfriadas e congeladas, em unidade de alimentação e nutrição da cidade de Salvador, BA. Higiene Alimentar 2008; 22(158):73-78.

RIEDEL G. Controle Sanitário dos Alimentos. São Paulo: Atheneu, 2005.

SARKIS F. Avaliação das condições microbiológicas de carnes de animais silvestres no município de São Paulo [mestrado]. Piracicaba-SP: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo; 2002.

SILVA J A. Extensão da vida de prateleira da carne bovina pela utilização de sanitizantes físicos e químicos [doutorado]. Campinas-SP: Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas; 1995.

VALLADARES C, et al Calidad higiénica de emulsiones para produtos carnicos. Alimentaria 1996; 35 (282):55-57.

XAVIER VG, JOELE MRSP. Avaliação das condições higiênico-sanitárias de carne bovina comercializada na cidade de Belém – PA. Higiene Alimentar 2004; 18 (125):64-73.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

Counters
Visitas